S.S. Mahavishnu Swami nasceu em 10 de Fevereiro de 1945, na Inglaterra. Após formar-se com honras em Belas Artes, juntou-se à ISKCON em 1971 já como monge renunciante e recebeu iniciação de Sua Divina Graça A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada no mesmo ano. Desde a década de 70 tem dedicado-se a grupos de distribuição de livros e pregação por todo o mundo. Entre outros serviços, viaja há cinco anos com o grupo de canto público Harinama Ruci, com o qual recentemente visitou o Brasil.

 

Carta de Sankirtana: Qual a importância de distribuir livros?
Mahavishnu Swami: Na verdade, a distribuição de livros dá muito prazer a Srila Prabhupada, o Acharya-fundador da ISKCON. Prabhupada enfatizou isto muitas vezes, pois ele queria que este movimento se espalhasse por todo o mundo e, naquele momento, a tecnologia de impressão de livros estava disponível. Assim, Prabhupada a enfatizou diversas vezes. Isso vem de nossa Sampradaya: o mestre espiritual de Prabhupada; o pai dele, Srila Bhaktivinoda Thakur; os seis goswamis, todos escreveram livros. Em kali yuga os livros são a base. A religão sem filosofia é fanatismo e ciência sem religião é especulação, assim Prabhupada costumava dizer. Então deve haver alguma lógica para as pessoas estabelecerem sua fé. Portanto, Prabhupada escreveu esses livros e eles apresentam essa lógica e filosofia, bem como a associação de
Srila Prabhupada. Eles carregam a mensagem de Prabhupada, que é nosso Acharya-fundador e o jagad-guru, e ele escreveu esses livros para toda a humanidade.

 

Carta de Sankirtana: Quando começou a distribuir livros?
Mahavishnu Swami: Comecei a distribuir livros em 1971, em Londres.

 

Carta de Sankirtana: Maharaja, Sua Santidade tem esse grupo forte e incrível, Harinama Ruci, que combina harinama com distribuição de livros. Poderia comentar sobre a vantagem de distribuir livros durante o harinama (canto público dos santos nomes)?

Mahavishnu Swami: Na verdade, esse não é meu grupo. Ele começou com Vishnujana Prabhu. Ele começou há cerca de nove anos e viaja o mundo com diferentes devotos. Eu tenho participado pelos últimos cinco anos, então não podemos dizer que é o meu grupo. Ele tem enfatizado o Harinama pois ele entendeu que este é o verdadeiro centro da ISKCON e vemos que o movimento de Prabhupada se expandiu quando ele (Prabhupada) começou a ir ao Tompkins Square Park e cantar Hare Krishna com sua mrdanga. Não era uma mrdanga, era um Jambe. As pessoas cantavam e dançavam, então Prabhupada dava uma palestra em seguida. Então é a música; o kirtana é a base de nosso movimento e, na verdade, isso se expande. Bhaktisiddhanta Sarasvati fala sobre a Brhat Mrdanga e a “pequena mridanga”, mas a “pequena mrdanga” é a base da “grande mrdanga”. Se não cantamos os santos nomes, não há sequer a chance de livros existirem. kaler dosa-nidhe rajann / asti hy eko mahan gunah // kirtanad eva
krsnasya / mukta-sangah param vrajet (SB: 12.3.51): há uma vantagem para esta era, que é o cantar dos santos nomes e, através deles, alguém pode alcançar toda a perfeição. O Senhor Brahma também disse a Narada Muni: iti sodasakam namnam kali / kalmasa-nasanam // natah parataropayah / sarva-vedesu drsyate (Kalisantarana Upanishad): “Estas dezesseis palavras (o mantra Hare Krishna) podem destruir os sintomas da era de Kali.” Essa é a fundação de nosso movimento; Krsna apareceu na forma de Seus santos nomes! Mas os livros são a glorificação dos santos nomes: as pessoas entendem o que acontece ao cantar os Santos Nomes.
Isvara Puri disse ao Senhor Caitanya: “com a associação dos devotos e a propagação de instruções sobre os santos nomes, você irá liberar as pessoas de todas as vilas!” Então apenas os santos nomes não são suficientes para ajudar as pessoas em geral. Os livros devem estar presentes, a filosofia deve estar presente. Ambos devem estar lá. Conhecimento e sentimento. Você não pode ter uma grande mrdanga sem uma pequena mrdanga, e como fazer isso é uma questão de estratégia. Em alguns lugares, como Calcutá, Prabhupada disse: “Não façam harinama. Façam um programa de membros vitalícios e distribuam livros.” Mas em outros países era diferente, como em Londres os harinamas chamavam muita atenção; George Harisson ajudou e o movimento começou a fluir até sair a manchete “Hare Krishna Chega a Londres”. Então devemos indagar nossos administradores acerca de como essa combinação pode funcionar.

Às vezes, apenas a distribuição de livros pode tornar a coisa um pouco seca e as pessoas podem pensar que apenas queremos seu dinheiro. Mas vendo os devotos cantando e dançando em êxtase, elas sentem-se atraídas pelos livros. A meu ver, ambas as coisas devem andar juntas. No Harinama Ruci fazemos as duas coisas juntas. Essa é a fórmula que entendo ser a melhor. Foi assim que comecei a distribuir livros, em harinama. Eu estava muito feliz, então os devotos me deram algumas revistas e disseram para eu distribuir. Fiquei envergonhado, pois não queria parecer um pregador maluco de alguma religião. Mas como me mandaram fazer, pensei que deveria ser obediente e tentei. Quando as revistas começaram a sair, me senti muito feliz. Desde então, entendo que o prazer, a felicidade de distribuir livros,
existe, e é a mesma de cantar Hare Krsna, pois é o prazer de distribuir consciência de Krsna na forma dos livros. O mesmo prazer está presente ao distribuir os santos nomes na forma de kirtana. Mas ambos devem andar juntos. Notei que, na ISKCON, às vezes, o harinama fica atrás de motivos econômicos. Pensamos que cantando Hare Krishna, o dinheiro não virá. (risos). Isso também é yajna! Mas Prabhupada também tem uma estratégia: distribuir livros! Então podemos cantar Hare Krsna, distribuir esses livros, manter nossos templos e imprimir mais livros! Esse é o plano de Prabhupada para propagar seu movimento“Distribuam livros! Distribuam livros! Distribuam livros!” Isso não significa: “harinama não”! Não significa “harinama não!”

Muitos devotos vieram ao movimento ao verem devotos cantando em êxtase.
Isso é atrativo! Depois eles lerão os livros. Se atraem pelo kirtana e prasada, e depois
os livros. Isso é atrativo! Há tipos diferentes de pessoas e ambas as coisas devem
caminhar juntas, em minha opinião.

Carta de Sankirtana: Tem algum passatempo especial para nos contar?
Mahavishnu Swami: Sim, sim. Eu tive que ir ajudar a abrir um templo em Manchester, no Reino Unido. Uma cidade grande. Assim alugamos um lugar pequeno para nós, e eles, o presidente e sua esposa, costumavam empacotar meu almoço, para que eu levasse. Era apenas eu, único brahmacari. Eles me davam meu almoço e eu ia para o centro da cidade, na rua mais movimentada, para cima e para baixo com karatalas, cabeça raspada, dhoti e kurta, e cantava os santos nomes. Apenas eu, e isso atraía muita atenção! Todos pensavam: “o que ele está fazendo?” “quem é esse rapaz?” Esta era a época dos Beatles e do maha–mantra do George Harisson, então éramos famosos. Eu tinha comigo uma quantia de revistas De Volta Ao Supremo, e ficava nas principais esquinas, nas mais movimentadas, e vendia essas revistas! Muitos devotos entraram no movimento! Muitos devotos entraram! Foi uma ótima experiência distribuir revistas, os santos nomes e muitos devotos virem. Uma experiência incrível! Mesmo aqui no Brasil, estávamos fazendo harinama na praia e essa jovem com o Gita, qual o nome dela? Bruna. Ela se uniu ao kirtana! E não parou mais! Agora ela está entendendo ainda mais a filosofia.

Carta de Sankirtana:O que aconselharia a alguém que quer distribuir livros?
Mahavishnu Swami: Eu aconselharia: vá com um grupo de harinama sempre que possível e, quando sentir-se confiante na rua, sentir que seu lugar é na rua e que você está rendido a Krishna e sente-se confiante, então você pode se separar do harinama para distribuir livros. Depois, se não se sentir mais tão confiante ou tímido, volte ao harinama! Construa novamente a confiança! Se estiver sozinho distribuindo livros, mas sentir falta de confiança ou muita timidez, sente-se, abra os livros de Prabhupada e leia, por 5 ou 10 minutos! Prabhupada e Krishna irão te ajudar! Essas são diferentes táticas que devotos costumam ensinar. Mas a melhor que ouvi é de Navina Nirada: “termine todas as suas 16 voltas antes do mangala-arati e, durante o horário da japa, leia os livros de Prabhupada.” Saddhana é o mais importante. Então pegar os livros, mostrar os livros, e se organizar. Esses são os quatro pontos: 1) Saddhana: acordar antes do mangala-arati e terminar suas voltas, então ler os livros de Srila Prabhupada durante o horário padrão da japa. 2) Tenha livros, leve com você. 3) Mostre os livros. 4) Organizese. Esses são os quatro pontos dele. Ele é um grande distribuidor de livros. Nunca
fui um grande distribuidor de livros, nunca distribui muitos livros e fui mundialmente
conhecido. Sempre fui mediano, mas gosto muito de distribuir livros.

Carta de Sankirtana: Gostaria de dizer algo mais?
Mahavishnu Swami: Devemos. Prabhupada disse: não escrevi os livros apenas para serem distribuídos, mas para que eles sejam lidos por meus seguidores. Não é bom pegá-los como um vendedor e vendê-los. Nós devemos conhecer, entender os livros de Prabhupada, e amá-los! Na verdade, há uma história que Sivarama Maharaja uma vez contou: havia uma loja de diamantes em Manhattan. A maior e mais cara loja de diamantes do mundo, apenas milionários iam lá. Então uma vez, um milionário foi à loja, e disse: “eu quero ver o melhor diamante da loja”. Então veio o melhor vendedor e começou a mostrar e explicar tudo sobre os diamantes. O milionário não se convenceu e estava deixando a loja: “volto mais tarde”. Então o proprietário da loja, não o vendedor, o proprietário, disse: “Um momento!” “Posso dizer-lhe algo mais sobre o diamante?” Milionário: “sim, pode.” Após ouvir o proprietário da loja, o milionário resolveu comprar e fez um cheque de dez milhões de dólares. Então o milionário disse: “eu ouvi este, que é seu melhor vendedor, falar e não fiquei interessado, mas quando VOCÊ, VOCÊ me falou do diamante, me convenceu. Como é possível? Qual a diferença?” Então o proprietário
disse: “o vendedor sabe tudo sobre diamantes, mas eu os amo!” Então temos que amar
os livros de Srila Prabhupada! Essa é uma boa história, não? Temos que amá-los e sentir
que estamos dando Krishna e que isso é o melhor para todos! Isso terá o melhor impacto.

Categorias: Entrevistas